Virada Sustentável 2020 propõe uma reflexão sobre o futuro que queremos criar e habitar

Avatar

A Virada Sustentável é conhecida como o maior festival de Sustentabilidade do país. Envolve articulação e participação direta de organizações da sociedade civil, órgãos públicos, coletivos de cultura, movimentos sociais, equipamentos culturais, empresas, escolas e universidades. Ao longo de 10 anos, já passaram pelas ativações do festival nomes como Kate Raworth, Andy Singer, Amyr Klink, Bela Gil, Lenine, Arnaldo Antunes, entre outros.
Orientada em um reposicionamento recente para se transformar em uma plataforma de conteúdo e network, somado ao contexto da pandemia, a Virada trouxe como desafio para sua Estratégia de Conteúdo e Campanha desenhar a evolução do festival do espaço físico para o ambiente digital e, com isso, todo o pensamento do que antes era ativação, para virar também conteúdo. O line up está dividido, propositalmente, num arco narrativo que abraça 5 frentes urgentes: Diversidade, Desigualdade, Meio Ambiente e Clima, Consumo e Economia Circular, e Bem Estar.

Sobre – A Virada Sustentável promove até 18 de outubro, uma série de atividades, painéis, lives e discussões integradas às instalações que estarão espalhadas pela cidade de São Paulo. A expansão das mensagens também acontece a partir do momento que não há apenas instalações físicas. A ação em parceria com o coletivo Projetemos, por exemplo, acontece com a projeção de mensagens reflexivas e provocativas em todas as principais capitais do país. As quase 80 mensagens foram co-criadas por mais de 200 pessoas (entre Ongs, marcas, sociedade e ativistas), reunidos durante 5 dias seguidos para discutir os 5 eixos temáticos do projeto, como forma de endereçar as questões urgentes e os debates por quem já está em campo atuando nessas frentes.


A ideia de mundo digital – onde o universo digital não existe sem o físico e vice-versa – e de um processo colaborativo para se chegar nos gatilhos de conversas que o festival poderia promover esse ano, foi o pontapé inicial da estratégia desenvolvida por Bárbara Bono, consultora de conteúdo e engajamento, junto com a agência Quintal, responsável pela campanha. Juntos e através do trabalho de mentoria realizado para a Virada por Daniel Conti – managing director da 1.2.3.5.8 marketing de valor compartilhado, o time montou um squad híbrido de trabalho articulando diversas frentes na construção de cada passo – do conceito à criação das mensagens. “Refuturo”, a tagline que assina os 10 anos de Virada, é uma provocação urgente sobre como podemos repensar, recriar e regenerar o lugar que queremos co-habitar. Uma pauta necessária que tem na Virada a grande articuladora entre as partes.”Entender o papel de articulação da Virada foi fundamental para traçar a estratégia de transição do evento físico para um modelo de plataforma. Mais que um festival, o evento promove uma articulação voltada ao diálogo. Ponte difícil de ver num momento onde tudo parece tão dividido. Foi pensando nessa força que desenhamos a evolução do Festival para uma Network, ou seja, além de provocar com as instalações, as atividades e a programação cultural, também endereçar pautas, desenvolver temas e caminhar para a solução de problemas reais e urgentes. Não é só sobre inspirar, mas sobre realizar. A pauta para o futuro precisa ser construída hoje e junto com as comunidades”, diz Bárbara Bono, consultora da Estratégia Criativa e de Conteúdo da Virada Sustentável, que também assina junto com Daniel Ferreira, da Quintal, a Criação da campanha.


Para André Palhano, idealizador do evento, esse novo momento chega para marcar os próximos 10 anos. “Sempre articulamos e reunimos uma rede poderosa de transformadores de maneira física, nos debates, encontros e intervenções pela cidade. Chegou a hora de fazermos isso também digitalmente”


Sobre a Programação

A programação, em formato inédito, vai durar 5 semanas e ocupa a cidade de São Paulo com intervenções artísticas, projeções e grafites, além de mais de 15 painéis online, compostos por mais de 60 palestrantes, entre eles nomes como Kate Raworth, criadora da “Economia Donut”, e o arquiteto William McDonough, referência mundial em economia circular – que em suas palestras somaram juntos mais de 20 mil pessoas assistindo a transmissão ao vivo – além de uma diversidade de encontros que vão de Elza Soares a Monja Coen.A abertura contou com projeções simultâneas em São Paulo, Salvador, Fortaleza, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Manaus. O público pode esperar muitas provocações e reflexões como a parceria inédita entre o projeto Memorial Inumeráveis e VJ Suave, no dia 2 de outubro, em que fazem uma homenagem aos indígenas vitimados pela Covid-19; o coletivo Cem Minas na Rua, na Lapa, une 22 mulheres para grafitarem 150 metros de murais entre tantas outras atrações e a instalação Eggcident, do artista holandês Henk Hofstra, composta por ovos fritos gigantes instalados no asfalto buscam levar as pessoas a refletir sobre as mudanças climáticas.


O evento reuniu, no dia 21/09, Dia Internacional da Paz, mais de 200 porta-vozes de diferentes linhas de pensamento para o Amanhã da Paz, uma grande meditação global online com o intuito de ressoar a paz entre as pessoas e as nações, que reuniu 425 mil pessoas. A data foi criada há 39 anos pela ONU, e o movimento foi articulado no Brasil pela Virada Sustentável, em parceria com a Virada Zen, por meio de transmissão online.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

In the news
Carregar Mais