Victor Vocos Camargo: Live Digital

Avatar

Por Victor Vocos Camargo, Diretor Executivo da VZA Expomídia

Hoje nossos “smartphones” não estão mais com a gente. Eles fazem parte do nosso corpo, são uma extensão do nosso braço. Não é à toa que estamos em um dos momentos de maior transformação de como as empresas se comunicam com seu público. As mídias convencionais (rádio, TV, jornais e revistas) estão em decadência… revistas que eram vendidas por assinatura hoje são distribuídas de graça! Só para justificar a tiragem e tentar ainda vender os espaços!

A forma como as agências de publicidades clássicas ganha dinheiro também está em transformação. Salários inchados, pouco controle de HH (hora homem), pouca gestão! O que valia era ser criativo, a BV (bonificação de valor) das veiculações bancava tudo com sobra! Hoje todas já migraram de alguma forma para trabalhar com a mídia nas plataformas de digital. Mas as mídias pagas no digital são só uma metade da história.

O que mais vale é conseguir “viralizar” o seu conteúdo através das pessoas de forma orgânica. O alcance é muito maior a um custo muito menor. É uma explosão no retorno do investimento do cliente. Mas onde as histórias nascem? Nasce sempre no LIVE. Experiências com emoção fazem as pessoas se engajarem e terem a motivação de reverberarem suas histórias, ou no nosso caso, a mensagem do nosso cliente !!!

Nossa agência, a VZA Expomídia, tem como diretriz central aumentar o retorno de investimento (ROI) dos nossos clientes através do uso do digital. Tradicionalmente, eventos em geral não tem um retorno à altura do dinheiro gasto. Isso só acontece quando esse evento aparece em alguma mídia (mas isso também custa) ou se ele viraliza nas redes sociais.

Exemplo: Um jantar para clientes sorteados super exclusivo em um lugar inusitado, como por exemplo o Cristo Redentor. O evento em si não se paga. O impacto de 50 pessoas não justifica o investimento. Mas no momento que as histórias são criadas nas redes sociais desses 50 e se multiplicam exponencialmente nas redes sociais, a ação na verdade se torna positiva em termos de investimento. Na verdade, os 50 não eram o foco da ação e sim os “personagens”. A ação de fato era de digital e não um evento.

Sendo assim, o projeto tem que sair com uma solução criativa que seja facilitada a formação de um conteúdo que faça com que as pessoas passem a diante e queiram falar sobre isso para suas redes.

No caso de eventos fechados ao público, onde o importante é de fato impactar o público participante apenas, como por exemplo uma convenção de vendas, o uso do digital pode se tornar ainda mais relevante. As pessoas hoje são “multi task” elas não absorvem a fundo mensagens que lhe são transmitidas pois estão sempre de olho para o seu celular. A VZA EXPOMÍDIA entende que criar soluções através de aplicativos que façam com que o smartphone das pessoas também esteja “dentro” do evento elimina o conteúdo externo que está tirando o foco do participante e coloca 100% de sua atenção no conteúdo relevante que estamos passando.

Exemplo: Em uma convenção grande de vendas para mais de 800 pessoas de um cliente nosso, a nova marca da companhia foi apresentada em uma ação que envolvia os aparelhos de todos os participantes. O APP do evento estava com o Key Visual da marca antiga. No meio da apresentação da marca nova, o diretor da cia pediu que todos levantassem seus aparelhos com o app ligado. Através de um comando por onda sonora (imperceptível para o ouvido humano), a marca na plenária, na cenografia, e em todos os celulares foi revelada ao mesmo tempo! A ação foi aplaudida de pé por todos na plateia.

As fronteiras entre eventos, lançamentos e o mundo Live e o mundo digital acabaram. Hoje está tudo integrado e quem não acompanhar essa nova forma de pensar suas ações vai ficar para trás.

In the news
Carregar Mais