Terceira temporada da Portland lapida mentes criativas para o mercado através da diversidade de novos talentos

Avatar
“Porto” de ideias do coletivo atende empresas e marcas que buscam um refresh no time e em projetos

Prestes a completar seu segundo ano de atuação, a Portland nasceu com o propósito de incluir a diversidade humana no mercado de comunicação e marketing, como um porto de novos talentos e ideias.

A gestão do coletivo criativo é comandada pelos sócios Bruno Höera, publicitário vindo de agências como DM9DDB, Bullet, Artplan, Live e Banco de Eventos, e Alexandra Lassance, psicóloga, desenvolveu sua carreira em Gestão de Carreiras, Pessoas e Performance no mercado financeiro, Banco Santander e CredSystem Adm. de Cartões, que misturaram as suas experiências em mercados distintos para transformar a Portland na Terra do Porto, um local de partida para que novos talentos da comunicação sejam desenvolvidos e capacitados para irem cada vez mais longe.

Desde a sua 1ª Temporada, o coletivo seleciona seu time por meio de um processo que desconstrói os tradicionais filtros de pré-seleção, como: faculdades, localidades, idades ou gêneros. E para isso, conta com o apoio de uma banca avaliadora formada por profissionais do mercado que também acreditam que a pluralidade brasileira deva estar refletida não só nas campanhas publicitárias, como também nas equipes das empresas e agências de comunicação.

“Este mapeamento não abre portas só para os estudantes de universidades pouco óbvias, como também inclui aqueles que estudam nas tops de linha, porque nossa idéia é estourar as bolhas e não criar outras que no futuro precisarão ser estouradas também”divide Bruno.

No processo seletivo da 3ª Temporada, esta seleção “às cegas” foi produzida de forma literal em uma experiência sensitiva para todos os envolvidos. Sem saber o que aconteceria, cada candidato apresentou um projeto com propósito a uma banca que estava vendada nos primeiros instantes da conexão. A ideia foi a de potencializar a fala de cada futuro talento, prendendo a atenção da banca e evitando pré-julgamentos irrelevantes. Assista aqui o vídeo: https://youtu.be/TpbFBq7asv8  

Os perfis selecionados são conectados a projetos que tenham sinergia com suas áreas de interesses. A ideia é que esses projetos sejam matéria no desenvolvimento de cada jovem, colocando em prática a estratégia de que é preciso capacitar antes de incluir.

Durante o programa, os Portlanders montam seu PortFólio e são encaminhados a entrevistas nas agências e empresas onde se identificam.

Nas temporadas passadas, o coletivo teve 100% de aproveitamento, tendo, agora, agentes transformadores da diversidade humana em agências como: Ogilvy, Wieden Kennedy, Publicis, Flag, Mutato e Future Brand.

No total, a Portland conta com mais de 1500 inscritos nos seus processos seletivos, 60 profissionais que foram envolvidos no desenvolvimento do seu time e 50 projetos realizados para seus clientes e parceiros.

Para este novo momento, a agência está formando um pull de empresas parceiras que também gostariam de investir no desenvolvimento e capacitação de novos talentos, para juntos, construírem um mercado cada vez mais diverso e, consequentemente, mais criativo.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

In the news
Carregar Mais