Sergio Junqueira Arantes – Mundo digital redescobre a mídia impressa

Avatar

Sergio Junqueira Arantes, IP, CEM*

Muitas empresas do universo dito real parecem desconhecer que uma moeda tem dois lados. Por analogia, os ambientes real e online são parte intrínseca do mundo. Não cabe achar que seja possível viver em um dos lados, sem receber a influência do outro. Princípio da intercomplementaridade.

Enquanto empresas do mundo real abandonam as mídias impressas que as ajudaram a crescer, outras do mundo online “acordaram para um formato que nunca tinham imaginado, que representa uma oportunidade imensa de estar mais presente na vida das pessoas, o das revistas impressas”.

A Rock Content, uma das mais importantes do mundo online, descobriu recentemente este caminho e lançou a revista Content. Fez uma pesquisa de hábitos de consumo de seus clientes e descobriu que revistas especializadas são a segunda fonte de informação, atrás apenas de portais de conteúdo.

Esta conclusão está em consonância com pesquisa feita pela Escola de Direito de São Paulo, da FGV, visando avaliar as instituições mais confiáveis para os brasileiros. No ranking geral, a mídia impressa está em quarto lugar, com aumento de 42% para 45% em nível de confiança. Antes das revistas, somente as Forças Armadas, a Igreja Católica e o Ministério Público.

Isso explica por que algumas das maiores fortunas do mundo, Jeff Bezos, adquiriu o Washington Post; o megainvestidor Warren Buffet investiu US$ 143 milhões na compra de 63 jornais americanos e Carlos Slim, no New York Times. A importância da mídia impressa também pode ser percebida quando milionários e bilionários gastam cerca de cinco horas e meia por semana lendo livros, revistas e jornais.

A onda que ora chega ao Brasil, com o lançamento da Content, já se mostra corriqueira no resto do mundo. A Netflix, por exemplo, está se voltando para publicação de uma revista impressa novinha, concebida como “um veículo para perseguir as afeições tentando conquistar corações e mentes, falando diretamente com seu público-alvo, buscando construir credibilidade”.

Airnbnb deu mais um passo para entrar de vez na vida (e no coração) das pessoas, ao lançar a revista Pineapple, impressa e trimestral, que “vai combinar o lado emocional e prático das viagens, visando transmitir o sentimento de ‘pertencer’ que vem com viagens memoráveis”. Com a Pineapple, a Airnbnb busca legitimar o negócio de hospedagem – passando de um site para algo que pode ser tocado, carregado e compartilhado fisicamente.

Na mesma época, a Liberty London lançou uma revista editorial para promover sua oferta de beleza. Sobre a decisão da marca em imprimir para fidelizar, a diretora de marketing e comunicação da Liberty, afirma: “Acreditamos que a impressão ainda tem valor para o cliente – aquele momento especial em que você pode contar grandes histórias e talvez aprender algo que não sabia sobre uma marca ou um processo”. Por que não lançam edições digitais das revistas? “Porque o digital simplesmente não consegue igualar as características únicas da tinta no papel”.

*Sergio Junqueira Arantes é fundador da Academia Brasileira de Eventos e Turismo; diretor da Cecomércio/SP e do MICE+T Brasil; CEO da Eventos Expo Editora; diretor do Fórum Eventos, Prêmio Caio e CEO Council; e publisher da Revista Eventos e do Portal Eventos

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

In the news
Carregar Mais