Paula Boarin – Empresas monitoram comportamento nas redes sociais

Avatar

Recrutadores analisam perfil dos candidatos, aqueles que não se encaixarem estão previamente eliminados

Durante a Copa do Mundo na Rússia, um vídeo com vários brasileiros constrangendo uma mulher russa viralizou nas redes sociais. A repercussão foi tão grande que um dos rapazes, funcionário da LATAM, foi demitido após o ocorrido. Ser só um bom em seu trabalho na empresa não basta, os funcionários agora devem mais do que nunca cuidar da sua reputação.

Isso vale também para quem está em busca do primeiro ou de um novo emprego como explica a especialista em Personal Branding Paula Boarin da 4DH. Segundo Boarin, os recrutadores estão mais atentos ao perfil dos candidatos na internet. “A maior parte dos recrutadores buscam o candidato nas redes. Especialmente no LinkedIn. Tem pessoas que desejam ser encontradas, mas possuem perfil inexistente ou desatualizado. Assim como a falta do digital eliminou empresas ela elimina candidatos.”

Candidatos que tenham feito postagens com opiniões preconceituosas, muitos erros de ortografia ou mesmo publicado fotos sensuais e que sugiram consumo de álcool ou drogas ficarão muito atrás na busca do tão sonhado emprego formal. “O ponto negativo que eu enxergo é que a maioria das pessoas não estão pensando ainda profissionalmente nas redes sociais. Acreditam que é possível separar pessoa física da jurídica. Essa divisão não existe mais. A internet mudou essa relação”, conclui a especialista em Personal Branding Paula Boarin.

Cuidar da rede social como uma marca evita casos como o do funcionário de uma concessionária de motos em Jundiaí, no interior de São Paulo, que em 2012 foi demitido após “curtir” no Facebook comentários feitos por um ex-colega de trabalho que ofendiam a loja e uma sócia da empresa. O rapaz ainda entrou na Justiça, mas o Tribunal Regional Trabalhista (TRT) considerou válida a decisão da empresa.

A agilidade da internet facilitou para as empresas analisarem os diversos perfis a partir de redes como o Linkedin e sites como o Vagas.com. Estes sites promovem testes comportamentais aos candidatos para definir os perfis mais compatíveis à cultura da empresa. Boarin destaca a importância desse novo tipo de recrutamento: “O processo seletivo pode ser extremamente preconceituoso, infelizmente. O recrutamento as cegas é a tendência que vem de fora do país e que ajuda o candidato a ser escolhido por seus méritos.”

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

In the news
Carregar Mais