Luli Hunt – O entretenimento através das Leis de Incentivos Fiscais

Avatar

Ao longo da história da humanidade, as expressões artísticas e culturais sempre tiveram grande dependência do apoio financeiro das mais variadas fontes. O mecenato, por exemplo, surgiu na Itália renascentista e seus praticantes sustentaram e promoveram incontáveis artistas e atividades culturais. A Igreja e os governos também são, historicamente, patronos da arte e eventos. 

Avançando para períodos mais recentes, as empresas igualmente assumiram este papel – por fazer parte de seus valores, mas também de olho em obter uma imagem positiva para sua marca e na promoção de seus produtos. Nada mais justo! Afinal, essa é uma relação ganha-ganha: os autores, por conseguirem produzir e sobreviver com sua obra; as empresas, por se diferenciarem no mercado e atingirem seus objetivos mensuráveis e não mensuráveis, e o cidadão brasileiro, por ter a sua disposição mais cultura, arte e eventos de qualidade.

Na esteira da promulgação de leis de incentivo fiscal à cultura – nas esferas federal, estadual e municipal. 

De fato, essa é uma isca difícil de resistir: reduzir a carga tributária da empresa (principalmente porque o valor investido, em muitos casos, é dedutível também como despesa operacional) e, ainda, poder acompanhar e fiscalizar mais de perto a aplicação adequada de recursos que seriam direcionados aos cofres públicos.

Mas, exatamente por envolver questões relacionadas a benefícios fiscais e mexer com a imagem e reputação de uma empresa cidadã, é preciso ir com menos sede ao pote e se cercar de certos cuidados. E como fazer isso? Com muita ética, transparência e legalidade! A questão de alguns anos, tivemos as mídias repletas de escândalos do mal uso do dinheiro público em projetos incentivados e esse fato afetou muito o mercado cultural, que vem sofrendo modificações nas suas diretrizes e impondo regras e mais regras. O Mercado encolheu, mas deve continuar a proporcionar entretenimento, lazer e eventos de grandes proporções.      

Na hora de decidir o investimento em um determinado projeto, a empresa precisa ser criteriosa e ter segurança na parceria que está estabelecendo. Uma produtora idônea que entenda do mercado e tenha respaldo de um profissional que entenda profundamente das leis de incentivo e possa assessorá-lo na definição de qual lei de incentivo irá buscar benefícios. Que acompanhe os procedimentos das leis de Incentivo fiscal e se responsabilize por cada fase do processo, que faça a administração financeira do projeto dentro da mais absoluta correção e legalidade. O processo deve ser 100% transparente em todas as fases: com o cliente, com o produtor e com todas as etapas do desenvolvimento do evento e principalmente a finalização, a prestação de contas junto à esfera Federal, Estadual ou Municipal. 

Essa proximidade entre todos os envolvidos é, na verdade, o segredo do sucesso. Ao se conhecerem e se identificarem com os valores uns dos outros, terão segurança para evoluir o projeto e atingirem seus objetivos comuns. 

Na época que estamos vivendo, de recursos reduzidos, quase inexistentes, por mais que o faturamento das empresas diminua, os impostos vão continuar a serem gerados, podendo contribuir dentro das alíquotas de renúncia fiscal, viabilizar emprego e entretenimento.

Um exemplo de projeto de entretenimento incentivado pelas leis de incentivos Fiscais, temos o espetáculo ´´ Senhor dos Anéis in Concert“. O evento trata do cine concerto da Trilogia do Senhor dos Anéis.

 Orquestra ao vivo, partitura original, filme e evento oficial, 92 músicos e um coro de 150 vozes (50 mulheres, 50 homens e 50 crianças) e uma solista. É o mundo do entretenimento chegando ao público através da renúncia fiscal, proporcionando uma experiência única que agrega o requinte da presença de uma orquestra sinfônica junto a experiência popular do cinema.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

In the news
Carregar Mais
%d blogueiros gostam disto: