Adriana Ribeiro – O empoderamento feminino no mercado de comunicação

Avatar

*Por Adriana Ribeiro, CFO da Bullet

Estamos no mês da mulher e, nesta época, me lembro, principalmente, como é fazer uma sessão de fotos ao lado dos meus sócios na agência em que trabalho atualmente – sou a única mulher do grupo de cinco pessoas – admito, que para mim, é uma sensação de vitória muito grande e que me enche de orgulho.

Nasci na periferia de São Paulo, no Jardim Planalto na Zona Leste. Sempre estudei em escolas do governo e só tive contato com o ensino particular na faculdade. Onde cheguei e a conquista deste espaço é realmente de encher mãe e pai de orgulho e, claro, a mim mesma.

Estou na área de comunicação desde 1998, quando entrei em minha primeira agência de publicidade como contadora. Antes disso, trabalhei em um escritório de contabilidade e em uma empresa de entretenimento. Foi uma grande mudança na minha carreira e a pergunta mais emblemática que fizeram para mim no início foi: “Você nunca trabalhou em agência de publicidade? É muito diferente a parte financeira e você, provavelmente, terá muitas dificuldades”. Mesmo com essas provocações, sempre fui uma jovem inquieta e isso não me abalou, na verdade só impulsionou minha carreira. Não por isso, há 9 anos sou sócia.

A Bullet sempre foi uma agência inovadora e à frente no mercado. Aqui, valorizamos o nosso profissional e temos um número considerável de mulheres no comando e não é de hoje, quando entrei em em 2002, a diretora de criação era uma mulher e o planejamento da agência era 100% composto de mulheres.

Neste momento, estou olhando da minha sala para a primeira bancada a frente: são quatro homens e dez mulheres. Tenho muito orgulho dessas garotas que têm histórias incríveis e que estão todas aqui, concentradas em seu trabalho e fazendo nossa agência prosperar.

Nossas estatísticas mostram que estamos no caminho certo. Temos mais da metade de nossos profissionais do gênero feminino e muitas delas no comando de departamentos. Desde 2017, estamos trabalhando para que tenhamos um departamento de criação com mais presença feminina, o que hoje no mercado é difícil. Queremos entender onde estão as mulheres criativas e porque é tão difícil a presença delas em nossos recrutamentos.

Se antes o mês da mulher era uma época comemorativa no calendário de RH, hoje entendemos melhor o que ela realmente representa. Todo ano buscamos trazer conhecimento e conteúdo para a equipe e nos preocupamos genuinamente com o bem-estar de cada uma das nossas profissionais no dia a dia. É algo que vai além de uma data.

Queremos ser agentes do empoderamento de cada uma de nós, apresentando, inclusive o papel da mulher no combate ao machismo. Não somos responsáveis por ele, claro, mas muitas vezes o reproduzimos sem nem sabermos.

Esse nosso posicionamento me lembra uma frase que ouvi de uma advogada da agência que me marcou muito. “Se estamos vivos em 2019, temos que nos adaptar à nova realidade e não achar que a luta das mulheres por um lugar de destaque seja um mimimi qualquer.” E, para mim, as mulheres que conseguiram chegar lá, precisam e devem exercer um papel de influência positiva.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

In the news
Carregar Mais