A pancada do COVID-19 nos profissionais de eventos

Avatar

São mais de 70 dias, oficialmente, de distanciamento social. Para os otimistas, eventos adiados e para os pessimistas, eventos cancelados. Desde as primeiras semanas já se falavam das grandes perdas no setor e as demissões em massa que ocorriam nas agências só confirmavam tal prelúdio. Com toda a certeza o mercado de eventos foi o mais abalado pela pandemia do novo Coronavírus, podemos dizer que não houve somente um abalo, mas um fim, uma pausa instantânea, as luzes foram apagadas e não conseguimos ver, até então, nenhuma no fim do túnel.

Algumas campanhas de grandes líderes da área como a NÃO CANCELE, ADIE ou a JOB ENTREGUE JOB PAGO iniciaram um processo de sustentação e resistência aos impactos. São ótimas iniciativas, bem-vindas, sempre para melhorar, aquecer e fortalecer nosso mercado, mas e os profissionais, produtores, criativos, executivos? Como estão? O que estão fazendo e o que esperam do futuro?

Fomos então falar com eles, de maneira imparcial, sem interferência e da forma mais discreta possível para que as respostas fossem mais naturais e legítimas. São poucas questões, mas resumem o atual sentimento e posição que se encontram. Adianto que nosso intuito não é uma pesquisa quantitativa, cheia de números e performance, estamos em busca de qualidade para transmitir com o máximo de transparência a realidades dessas pessoas.

Falamos com profissionais de criação, planejamento, atendimento, produção executiva, produção gráfica, produtores de conteúdo, arquitetos e cenógrafos, montadores, promotores, financeiros e fornecedores em geral.

Desde o início da pandemia o maior impacto na vida desses profissionais foi a demissão. Percebemos que houve uma tentativa da manutenção dos cargos, porém a dúvida sobre o fim do distanciamento social e consequentemente a volta dos eventos levou a redução máxima no faturamento das agências, impossibilitando a continuidade dos contratos. Por volta de 30% desses profissionais ainda tem um vínculo com as agências por meio de redução de salários e jornadas, mantendo suas rotinas por meio do home-office, inclusive houve uma enorme mudança na mentalidade destes produtores, mais de 80% acreditam que é possível manter-se a distância mesmo pós crise.

Porém, nem tudo são flores, o nível de otimismo foi reduzido ao mínimo, mesmo com uma possível retomada da economia os produtores de eventos estão desmotivados e não acreditam num reaquecimento instantâneo. A consciência de que este caos continuará por muito tempo é latente e, infelizmente, há um apagão profissional, sob uma ótica de geração de renda, até o momento existe muita dificuldade no encontro de alternativas no universo digital. Aqueles que conseguiram criar reservas financeiras estão usufruindo e economizando ao máximo e para uma boa parte as assistências e auxílios governamentais foram a única solução.

Ansiedade, inquietação, preocupação excessiva são apenas alguns dos sentimentos mais visíveis, criando assim uma nova geração de profissionais, mais exigentes e preparados para o futuro. Pouquíssimos produtores chegaram ao ponto de excluir eventos de suas vidas, em sua grande maioria a volta é muito desejada, amam o que fazem, porém querem mais garantias e melhores condições de trabalho. Junto às memórias mais satisfatórias sobre os eventos entram as mais absurdas lembranças como as 20 horas trabalhadas por dia, inclusive de finais de semana, leilão de freelas que reduz o valor do profissional, concorrências sem pagamentos, assédios morais e físicos, entre outros.

Numa possível retomada das atividades o ideal é recontratar esses profissionais que foram impactados pela pandemia, evitar painéis de vagas e a redução salarial passíveis de ocorrer graças a lei de oferta e procura, estamos em um momento sensível, delicado e precisamos preparar o terreno para garantir mais resistência e estabilidade futura, valorizando e capacitando esses colaboradores.

Para finalizar, separamos alguns recados dessas pessoas para os empresários, clientes e líderes do mercado:

“Precisamos de ajuda”

Lucas – Planejamento

“Acredito que o retorno não será de imediato, pois muita gente ainda terá medo de se aproximar de outras pessoas e ter contato, é algo que ainda será evitado por não ter uma cura definitiva para o vírus.”

Anderson – Criação

“Pagamento dos frellas em no máximo 30 dias.”

Anna – Logística

“Nesta quarentena percebi que se há a possibilidade de eventos online, com ganhos em publicidade. Então, nunca deixem de apoiar os pequenos empresários, quem puder, dê suporte! Espero que o mercado melhor para todos!”

Willame – Produção Gráfica

“Sempre estivemos a total disposição para realização dos eventos, agora estamos passando por sofrimento sem trabalhar, peço que assim que for liberado novamente os eventos, não deixe de contratar profissional. Estamos precisando trabalhar.”

Vagner – Atendimento

“Protejam seus funcionários”

Elisa – Financeiro

“Pensem a longo prazo e comecem a fazer planejamento estratégico e diversificado de seus negócios.”

Andréa – Planejamento

“Que busquem canibalizar menos e evitem práticas abusivas como pagamento postergado e disputas antiéticas de preço.”

Victor – Arquitetura e Cenografia

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

In the news
Carregar Mais
%d blogueiros gostam disto: