Mobile marketing é saída para microempresas enfrentarem crise, afirma especialista

19 de julho de 2016
Compartilhar:
mobile

CEO da Louyt diz que expansão dos smartphones no Brasil aliada à efetividade e baixo custo da prática resultam em contexto favorável para o setor

 

O celular, hoje, é mais usado para acessar a internet do que qualquer outro dispositivo – mesmo em lares onda há computadores e tablets. A conclusão pode ser tirada de estudo da FGV, que mostra que no país há 168 milhões de smartphones e embasa uma percepção de Alessandro Ribas, CEO da Louyt (www.louyt.com), franquia espanhola especializada em mobile marketing.

Com uma longa carreira na área de marketing, Ribas trabalha com telecomunicações desde 2001 e foi um dos fundadores da Louyt em 2013, quando notou uma mudança no status quo do relacionamento entre clientes e empresas (ver entrevista abaixo). Especialista em mobile marketing, o CEO conta que o campo – que deve superar US$ 100 bi em investimentos em todo o mundo neste ano – ainda tem muito a crescer no Brasil e destaca os benefícios que pode trazer, em especial, para empreendimentos com capacidade reduzida de investimento.

O que mudou no relacionamento com clientes por meio do celular do começo dos anos 2000 para cá?
Alessandro Ribas (AR): Houve uma mudança de conceito e uma evolução no relacionamento. Nós tínhamos basicamente SMSs de contato e o celular era um acessório. Hoje, transformou-se em um centro de informações a partir do qual as pessoas organizam sua vida. Por consequência, temos a possibilidade de abrir relacionamentos de maneiras infinitas por meio do aparelho, de acordo com o objetivo da empresa. Uma gigante de aviação, caso atendida pela Louyt, pode consultar os passageiros sobre a satisfação do voo assim que desembarcam. Já uma pequena lanchonete, por sua vez, pode enviar a foto de uma promoção do dia junto com um botão de delivery para seus clientes do bairro.

Esse imediatismo é o principal atrativo do mobile marketing?
AR: Não é só isso. Hoje, o mobile marketing é a maneira mais efetiva de chegar às mãos do público-alvo. Vai muito além da questão da rapidez, é como abrir um canal de comunicação direto em vez de, por exemplo, colocar um comercial no horário nobre da TV – pode acontecer, inclusive, de o cliente estar prestando atenção no smartphone enquanto passa o comercial.

Você considera a prática especialmente vantajosa para PMEs e startups, que, em geral, têm uma capacidade limitada de investimento?
AR: No caso de microempresas e startups, sem dúvida, o mobile marketing é uma ferramenta fundamental, pois é uma opção de relacionamento direto, barato e efetivo. Ainda que a venda de palavras, como no Adwords, esteja na moda, é mais difícil ter uma garantia de resultado. No mobile marketing, por sua vez, você dá o recado direto a quem precisa, é mais certeiro. Inclusive, é uma ótima maneira de enfrentar a crise. E uma ressalva: ainda que algumas PMEs, e mesmo grandes empresas, tenham capacidade maior de investimento, isso não significa que a estratégia não se aplique, afinal, qual gestor de marketing não gostaria de ter maior efetividade, resultados e ROI (Retorno do Investimento) melhores em sua campanha? O mobile marketing, aliás, é um ótimo complemento a outros canais de propaganda e também tem desempenho excepcional na ativação de campanhas promocionais.

Então o mobile marketing é a garantia de um melhor ROI?
AR: Não. Eu consigo garantir que uma campanha de mobile marketing desenvolvida dentro da plataforma da Louyt tenha um ROI positivo. No entanto, o meio por si só não faz milagres, é preciso ter estratégia. Interatividade, por exemplo, é essencial, como no caso de um botão dentro de uma landing page que leva o cliente direto à loja da empresa.

Como você define o campo do mobile marketing no futuro?
AR: Sem dúvida, o mercado só está aquecendo. Ainda há muito espaço para expansão tanto para a Louyt, quanto para concorrentes e soluções inovadoras voltadas à área – e posso afirmar que há demanda para tal. A nossa marca atua em 20 países e, se formos fazer uma comparação, posso dizer que a penetração dos smartphones no Brasil não deixa a desejar para a Europa e está à frente do México, por exemplo. Então, há espaço. E muito.